Você já agradeceu quem dobrou seu paraquedas hoje?

No artigo desta semana vamos refletir sobre gratidão, através da história do piloto americano Charles Plumb e entender como às vezes esquecemos de agradecer as pessoas que podem ser muito importantes na nossa vida.

Quem foi Charles Plumb?

Essa história aconteceu entre 1959 e 1975, período em que ocorreu a Guerra do Vietnã, um conflito entre os dois governos que lutavam pela unificação do país sob sua liderança.

Nessa época, os Estados Unidos chegaram a enviar mais de 500 mil soldados e um desses soldados era o piloto de caça Charles Plumb.

Charles se saiu muito bem durante a guerra, mas em uma de suas missões, após um ataque inimigo, um míssil acertou o seu avião e o derrubou. E acreditem, ainda assim ele conseguiu sair vivo, ejetando com seu paraquedas.

Ao chegar no solo, ele foi capturado e ficou durante seis longos anos em uma prisão norte-vietnamita.

Quando a guerra terminou, ele foi libertado e pôde voltar aos Estados Unidos onde desde então passou a dar palestras falando sobre o que aprendeu durante o período em que esteve na guerra.

O Reencontro

Um belo dia, ele estava jantando em um restaurante perto de sua casa, quando foi cumprimentado por um homem que ele vagamente reconheceu. O homem disse:

– Olá, tudo bem? Você é Charles Plumb, piloto que participou da guerra no Vietnã, não é?

– Sim, sou eu! Mas como você sabe! – ele disse espantado.

– Era eu quem dobrava o seu paraquedas, lembra? Parece que funcionou bem, não é?

Charles ficou espantado e envergonhado por não lembrar dele.  Na mesma hora respondeu.

–     Funcionou perfeitamente! Graças a ele, estou aqui hoje.

E agradeceu muito ao homem que havia sido fundamental na sua sobrevivência.

Os dois conversaram mais um pouco sobre a época da guerra, trocando experiências e depois se despediram.

Naquela mesma noite, sozinho em casa, Charles não conseguia dormir. Não parava de pensar e se perguntar.

– Quantas vezes eu vi esse homem no porta-aviões e nunca lhe disse ao menos um bom dia?  Eu era um piloto arrogante e ele um simples marinheiro.

Lembrou-se também das horas que viu esse mesmo marinheiro humildemente no barco enrolando vários paraquedas, tendo em suas mãos a vida de alguém que às vezes nem o conhecia.

Depois dessa reflexão, Charles passou a iniciar suas palestras perguntando:

– Quem dobrou seu paraquedas hoje?

Valorize cada pessoa importante na sua vida!

Durante toda a nossa vida é muito comum que a gente acabe se distraindo e deixando de agradecer pessoas que são fundamentais.

Não precisa ser necessariamente uma pessoa que salvou a sua vida, mas alguém que esteve ali por você.

Eu lembro que eu nunca dava bom dia para os porteiros do prédio quando eu era mais novo. Eu dava bom dia para um amigo do meu pai, o Raimundo, mas era algo mecânico.

Quando me casei e sai da casa dos meus pais, adivinha quem foram as pessoas que mais me ajudaram quando tinha um problema em casa? Os porteiros.

Durante a pandemia, quantos deles já fizeram compras para os mais idosos só para evitar que eles se exponham. Ato de humanidade e empatia, que às vezes eu não vejo um familiar fazendo.

Existe um filme chamado “Até o Último Homem”, que conta a história de um soldado que queria servir como médico, mas se recusava a pegar em uma arma.

Durante metade de filme, ele sofre todas as pressões possíveis para desistir, pois era visto pelo batalhão como o “elo fraco”.

Porém, a cada momento ele mostra que o propósito dele é maior do que simplesmente tirar as vidas e começa a mostrar que, independentemente de sua convicção, o seu trabalho é fundamental para aquele batalhão.

Quantas pessoas passam despercebidas pela gente, a “tia da limpeza”, a “tia do café”, “o garoto da impressora”.

Pessoas que possuem nome, família, histórias e que a gente acaba colocando à margem da nossa vida, sem perceber que sem o trabalho deles, não conseguiríamos realizar o nosso.

Temos que valorizar cada uma dessas pessoas! Lembre-se de agradecer a contribuição que ele tem na sua vida.

Fortaleça esse músculo da gratidão!

Hoje em dia, o paraquedas é dobrado pelo próprio paraquedista. Porém, gosto da metáfora, então vou deixar aqui uma pergunta e uma reflexão…

Você já agradeceu as pessoas que fazem parte da sua vida e que tem dobrado o seu paraquedas?

Da próxima vez que cruzar com elas, não tenha vergonha de agradecer! Comece com um bom dia, chame pelo nome, apresente-se, crie um elo! Isso só vai melhorar o relacionamento que vocês possuem.

Um gesto que para você pode ser pequeno, talvez, para essa pessoa pode significar algo muito maior e quem sabe em um momento em que ela mais precisa.

Todos nós estamos em um momento muito complexo das nossas vidas, passando por essa pandemia, que a cada dia drena um pouco da nossa energia. A gratidão, nesse momento, é uma forma de se sentir bem e fazer com que os outros se sintam bem.

A neurociência já demonstrou que, praticar a gratidão aumenta a produção de dopamina, neurotransmissor que traz essa sensação de bem-estar.

Fortaleça esse músculo da gratidão, praticando um pouco a cada dia, tendo atenção às pessoas ao seu redor. Se afaste de julgamentos e crenças que possam interferir nessa gratidão.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments