Setembro Amarelo: Tire a Máscara da Depressão

Você sabe o que é o Setembro Amarelo e qual sua relação com a depressão?

Para quem não conhece, Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio que surgiu em 2014.  Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. A maioria dos casos estão relacionados a transtornos mentais e em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

A campanha brasileira é muito importante mas ela, e o uso do símbolo da fita amarela, não surgiu aqui no Brasil. Ela teve origem de uma campanha organizada por uma fundação chamada Yellow Ribbon ou “Fita Amarela”, em 1994.

A história de Mike Emme

Tudo isso começou quando um jovem adolescente chamado Mike Emme comprou e reconstruiu um Ford Mustang 1968 e pintou de amarelo brilhante. Mike foi ficando conhecido por sua habilidade mecânica e por ajudar outros adolescentes e amigos, e por conta disso ficou conhecido como “Mustang Mike”.

Era um jovem alegre, extrovertido e que ajudava a comunidade. Existem relatos de que um dia ele encontrou uma senhora com seus dois filhos pequenos perdidos na beira da estrada com o carro quebrado. Mike parou e mostrou sua carteira de motorista para que não tivessem medo dele ou achassem que poderia machucá-los. Ele conseguiu ligar o carro e mesmo assim os acompanhou até em casa para garantir que chegariam em segurança. Para ajudar um amigo, ele cancelou um pedido de uma nova transmissão que iria usar no seu Mustang e acabou comprando duas no ferro-velho.

No dia 8 de setembro de 1994, às 23:52 seus pais chegaram e encontraram o Mustang do lado de fora, e dentro dele Mike, já sem vida. Ele havia se suicidado. Junto com ele foi encontrado um bilhete que dizia: “Mãe e pai, não se culpem. Eu amo vocês. Com amor, Mike. 23:45”. Infelizmente Mike tirou a própria vida por não saber como pedir ajuda. Uma situação comum, principalmente para pessoas que possuem doenças de natureza mental, como depressão e ansiedade.

Estas doenças podem afetar o seu comportamento de forma silenciosa, e frequentemente se passam por simples tristeza, ou por supostas características da personalidade do indivíduo.

A fita amarela

Fita Amarela

Na noite do funeral, seus amigos haviam feito 500 cartões para distribuir, com uma fita amarela em homenagem ao Mustang. Nela uma mensagem dizendo: “Existem pessoas que se importam e que vão te ajudar ! Se você precisa e não sabe como pedir ajuda, pegue esse cartão e entregue a um parente, amigo, professor , médico e diga “Eu preciso usar minha fita amarela”. Desde então a fita amarela é o símbolo de prevenção ao suicídio e vem ajudando a evitar milhares de suicídios em todo o mundo.

Depressão, a causa número 1 de suicídios

A cada ano que passa, as estatísticas apresentadas são assustadoras e o número de casos de suicídio registrados entre os jovens aumenta. Cerca de 50 a 60% das pessoas que se suicidaram nunca se consultaram com um profissional de saúde mental, como um psicólogo, terapeuta ou psiquiatra, principalmente por medo ou preconceito.  Nos dias de hoje, diante de uma pandemia mundial e com o isolamento social, as chances de uma pessoa desenvolver ou intensificar uma doença mental são muito maiores e por isso vim falar um pouco sobre a depressão.

Depressão não é frescura

Eu começo dizendo que depressão não é frescura! E confesso que também já tive este tipo de pensamento. Houve um momento da minha vida em que era muito preconceituoso em relação a doenças de distúrbios mentais como ansiedade, síndrome do pânico e depressão. Achava que era “simples” de resolver, era só não pensar do jeito que estava pensando, parar de ter medo, enfrentar. É muito fácil dizer isso quando você não conhece.

A verdade é que, mesmo aquelas pessoas que possuem alguém próximo passando por essa situação, não vão entender até que elas mesmas passem ou estudem para compreender o que efetivamente essa doença pode causar. Eu nunca tive depressão, mas já tive pessoas próximas com depressão e algumas tinham o pensamento de que bastava ter força de vontade que você se livra da doença.

Já tive transtornos relacionados a ansiedade, que me fizeram procurar duas psicólogas, que por fim me ajudaram a quebrar todo e qualquer preconceito que tinha e entender o que estava passando.

Medo e Preconceito

Mulher conversando com Psicologo

Muitas pessoas não procuram um psicólogo por medo ou porque acham que psicólogo trata de gente louca.  Alguns acham que ir ao psicólogo é demonstração de fraqueza, de inferioridade e por isso sentem vergonha. Ninguém escolhe ter depressão, ninguém faz isso pra chamar atenção. A depressão é um distúrbio grave que afeta principalmente os sentimentos, fazendo com que a pessoa passe a maior parte do tempo se sentindo mal, com baixa autoestima, tristeza e até pensamentos suicidas.

Principais Sintomas da Depressão

  • Insônia ou hipersonia.
  • Agitação.
  • Fadiga ou perda de energia, desmotivação.
  • Sentimento de culpa e inutilidade.
  • Autocritica excessiva.
  • Capacidade reduzida para se concentrar ou pensar e tomada de decisões.
  • Pensamentos recorrentes de morte ou suicidas, como de querer estar morto.

Apesar de ter características muito peculiares, a depressão não é fácil de se diagnosticar.  Muitas pessoas escondem como estão se sentindo, por que não querem ser vistas como fracas ou até mesmo porque não acreditam que possa se tornar algo mais grave, pois acham que é só uma “tristezazinha”.

Mas se você vem sentindo isso de forma recorrente, há mais de duas semanas, já está na hora de procurar ajuda especializada. Não deixe isso se agravar. Se você conhece alguém que está passando por isso, converse com a pessoa, sem julgamentos e sem preconceitos. Toda ajuda é importante nesse cenário, mesmo que a pessoa não se sinta confortável para pedir.

Entenda a química da Depressão

Eu só passei a compreender a depressão quando comecei a estudar neurociência e a entender o que acontece no nosso cérebro quando estamos deprimidos. Uma pessoa deprimida sofre diversas alterações químicas que desencadeiam todos esses sentimentos negativos. Essa área do cérebro fica super ativa e faz com que a pessoa não consiga sair desse “humor”. Por isso que aquele “Vamos dar uma animada”, não funciona. É como se o foco da pessoa só estivesse preso a sentimentos negativos.

Essas reações usam muitos neurotransmissores, que são substâncias produzidas pelos neurônios para enviar informações para outras células, como a serotonina e a noradrenalina. Sempre que há um desequilíbrio na produção deles, é sinal de que a doença se instalou.

Ah então é só fazer o equilíbrio desses neurotransmissores que a vida segue. Seria fácil, mas esse desequilíbrio pode ter diversas causas, que podem ser genéticas, ambientais, eventos de grande estresse ou perda de alguém próximo. O remédio vai te estabilizar, mas e ai? Quando voltar você vai tomar uma dose maior? É preciso entender o problema raiz.

Cada vez mais sozinhos

Solidão nas redes sociais

Hoje em dia as maiores causas de ansiedade e depressão são sociais e psicológicas, relacionadas à forma como vivemos, falamos e interagimos com outras pessoas. Alguns estudos mostram que estamos mais sozinhos do que jamais estivemos em toda a história da sociedade. Acredite, mesmo tendo computadores para conversar com pessoas do mundo todo, celulares para fazer vídeo conferências, nenhuma interação substitui a interação humana.

Ter milhões de seguidores nas redes sociais não te faz estar menos sozinho. Likes e comentários de pessoas que você sequer conhece, são apenas métricas de vaidade. Pense o seguinte, quantos amigos você poderia ligar se estivesse em um momento de crise?  Quem poderia ser confidente de um problema sério da sua vida?

E você sabia que estar criticamente sozinho pode liberar a mesma quantidade de cortisol que receber um soco no rosto dado por um estranho? Estudos mostram que o nosso organismo reage quimicamente da mesma maneira, então imagine como é ficar sozinho durante muito tempo.

A vida em sociedade

O ser humano, ao longo de milhares de anos evoluiu para uma vida em sociedade. Nossa sobrevivência era baseada nessa colaboração, tribos, castas, comunidades e sociedades. Quando você se afastava da sua tribo, você corria muito perigo e com liberava adrenalina e cortisol para que você estivesse alerta. Isso fazia sentido nesse contexto. Hoje achamos que somos auto suficientes, não precisamos mais da ajuda de ninguém, somos donos da verdade e não aceitamos aquilo que não é exatamente o que queremos. Viver sozinho é um emblema no peito, mas para o nosso cérebro, mesmo que inconscientemente, isso é um risco e a química dele reage da mesma maneira.

Necessidades psicológicas básicas

Estudos Britânicos, trouxeram necessidades psicológicas básicas para que a gente consiga evitar um estado de depressão ou ansiedade. Temos a necessidade de pertencimento, de fazer parte de um grupo, de interagir, conversar, realizar atividades juntos, ajudar pessoas. Mesmo animais e plantas podem ajudar na sensação de solidão.  Estar em contato com a natureza, realizando atividades ao ar livre.

Você sabia que existem pessoas que passam menos tempo ao ar livre do que presidiários, que tem direito a 2 horas de banho de sol por dia ? Imagine uma criança que cresce com esse hábito? Como será o psicológico dela como adulto ?

E por último, ter um propósito de vida, um objetivo inspiracional, faz com que você se sinta mais valorizado. Faz com que pense em como o seu tempo aqui é importante e consequentemente seja mais feliz.

Então a mensagem principal desse artigo é: tire ou ajude alguém a tirar essa máscara que esconde o nosso estado real. Peça ajuda. Não deixe que essa doença que mata mais de um milhão de pessoas por ano continue crescendo. Ajudar não tem custo pra quem ajuda e não tem preço pra quem recebe.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments