Aprenda a lidar com as críticas

Aprenda a lidar com críticas

Lidando com as críticas

Quem é que gosta de ser ouvir críticas? Posso dizer que durante muito tempo sempre que eu ouvia uma crítica, fosse ela em relação ao meu trabalho ou a minha pessoa, meu sangue esquentava.  Quando não respondia algo devolvendo a crítica eu sempre buscava um “MAS” no meio da conversa, “sim sou assim mas…..” , “aquilo aconteceu mas…” e tudo isso pra não me sentir mal ao que era dito.

Eu tinha muitas dificuldades em ouvir e sempre agia de forma reativa, procurando alguma justificativa. Com o tempo, compreendi que nem sempre as críticas eram pra falar mal ou me deixar pra baixo. Comecei a entender que as críticas são parte fundamental para o nosso desenvolvimento. 

Hoje decidi dividir um pouco desse aprendizado com vocês para que vocês também consigam lidar com as críticas, filtrar o que for importante para o seu desenvolvimento e descartar o que não agrega em nada.

Existem dois tipos de crítica: a crítica construtiva e a destrutiva. Você vai lidar com cada uma de forma diferente, até mesmo porque elas têm características totalmente distintas.  O primeiro passo para saber lidar com a crítica é identificar o tipo de crítica que você está recebendo.

Crítica Destrutiva

A crítica destrutiva geralmente é cheia de julgamento e é muito mais baseada em uma opinião pessoal do que em fatos. As pessoas que fazem esse tipo de críticas tem a intenção de minimizar o outro, de se colocar como superior, de acusar e ofender. Mas também há casos onde a pessoa apenas está vendo parte do todo através das suas experiências e acaba dando sua opinião de uma forma totalmente inadequada. 

Vocês já devem ter lidado com críticos assim em algum momento da sua vida. São pessoas que falam coisas do tipo: 

– “Nossa, que roupa estranha”, onde ela está apenas usando o gosto dela para definir uma opinião.
– “Olha ! Eu acho que você poderia estar rendendo mais se tivesse mais foco” . Neste caso, pode até ter uma intenção positiva escondida por trás da afirmação, mas onde os fatos ?
– “Eu acho que você tem se ausentado muito do trabalho por questões de doença”.  Além de totalmente antipática a afirmação, ela ainda traz um julgamento em relação a pessoa como se ela estivesse tentando fugir do trabalho e não tratando um problema de saúde.

Existem muitos outros exemplos, mas o importante é saber o que fazer para lidar com essas críticas sem querer jogar a pessoa pela janela.

Mantenha o Autocontrole

O primeiro passo e talvez  o mais importante de todos, é manter o autocontrole. Toda vez que ouvimos uma crítica e retrucamos, se inicia uma discussão que em muitos casos acaba gerando conflitos irreversíveis. Manter a calma não é apenas importante e sim fundamental. 

Entenda o Objetivo da Crítica

Entenda o objetivo da crítica. Por que será que essa pessoa está falando isso? Baseado em que? Se quiser, pergunte, sem tom de debate ou de discordância.  Por exemplo:

– “Nossa, que roupa estranha”.
– “Jura! Poxa eu adorei a roupa. Por que você achou que ela é estranha?”  

Dizendo que você adorou, existe uma grande chance do crítico entender que a opinião dele, se não tiver um argumento muito convincente, não vai mudar a sua.

– “Olha ! Eu acho que você poderia estar rendendo mais se tivesse mais foco” .
– “Opa! Fulano, poxa, muito obrigado mesmo pelo toque. Em que momentos você percebeu que eu perdi o foco?. O que você acha que posso fazer nesses momentos pra não perder o foco”. 

A primeira pergunta vai levar consciência da crítica para a pessoa. Se não possuir nenhum fato, ela vai travar e provavelmente voltar atrás.  Já a segunda, pode servir caso realmente a pessoa tenha visto algum momento que isso tenha acontecido e pode ajudar a você entender qual era a expectativa.

Consciência

– “Eu acho que você tem se ausentado muito do trabalho por questões de doença”. 

Neste caso, a maioria das pessoas iria responder: “Você está duvidando de mim?” ou “Você quer que eu venha trabalhar doente ?”, o que pode levar a um atrito desnecessário.

Eu, como gestor, já pensei isso em certo momento da minha vida, já tive casos de pessoas querem ser espertas e casos genuínos. Mas aprendi que quando eu me preocupo de verdade com a pessoa, eu não preciso questionar. Eu sei como a pessoa está, sei como a família dela está. O relacionamento não é frio, é humano e esses cenários são fáceis de se descobrir.

Mas vamos dizer que seu gestor não seja assim. Traga ele pro jogo, veja se ele vai ter empatia. Responda:

– “É verdade, eu tenho tido uma crises de gastrite constantemente, e realmente eu sinto que isso está impactando o meu dia a dia. Estou tentando os tratamentos para entender o que posso fazer, seja em relação a alimentação, ou começar a fazer exercícios. O médico acha que pode ser algo psicológico.  Até minha esposa está preocupada pois não me vê preocupado com cenário de saúde há muito tempo. E o Sr ? Acha que isso está impactando nos meus resultados? Na satisfação do cliente?”

Aqui eu estou contextualizando com uma gastrite mas poderia ser qualquer outro cenário. O objetivo foi dar o máximo de detalhes possíveis e na segunda pergunta, trazer consciência. A maioria das pessoas que passam por esse cenário fazem de tudo para recuperar o tempo perdido e raramente impacta nos seus resultados ou na visão do cliente. 

E se este for o caso, o gestor vai cair em si e talvez passe a se preocupar mais com a sua saúde do que com a sua “presença”.

Mantenha sua Autoestima

Um dos principais problemas das críticas, sejam elas construtivas ou destrutivas é o impacto que elas causam na nossa autoestima.  Por isso é importante que depois de manter o autocontrole e entender o objetivo da crítica, se questionar: “Isso me traz alguma ação?”, “Eu tenho como melhorar?”, “O que ouvi, de fato é verdade?”

Essas perguntas são muito fortes para que você se desapegue da dor que uma crítica pode te causar, fazendo assim com que a sua autoestima não seja impactada.

Uma dica! Normalmente fazemos isso em silêncio, utilizando a escuta ativa. Ouvimos com atenção e respeito ao outro, sem rebater ou retribuir. No final, independente se concorda/discorda, se ai gerar alguma ação da sua parte, agradeça e vida que segue. 

Cuidado com algumas armadilhas:

Levamos em consideração as opiniões e críticas, mesmo que infundadas, de pessoas que são importantes pra gente, como familiares, chefes e pessoas com maior autoridade. Se questione: Se outra pessoa viesse lhe falar isso, você receberia da mesma maneira?.

Críticas Construtivas

Críticas construtivas são aquelas que trazem alguma nuance relevante ao nosso autodesenvolvimento. Elas geralmente tem como objetivo moldar comportamentos que não sejam adequados ou que esteja prejudicando relacionamentos, desempenho no trabalho, produtividade, entre outros.

Normalmente essas críticas aparecem nas empresas em momentos de feedback. Se você tem medo de feedback é porque provavelmente já teve muito “fodeback” com críticas que não tinham a intenção de te desenvolver.

Mas elas não estão presas ao feedback formal. Elas podem ser dadas a qualquer momento e o quanto antes, pois vão ajudar a entender o que precisa ser ajustado para que você possa melhorar os seus resultados.

Por mais que sejam construtivas e o seu objetivo seja a nossa evolução, a maioria reage de forma reativa quanto nas críticas destrutivas.

Saia da Defensiva

Não se sinta perseguido. Entenda a crítica, o objetivo e o que pode te trazer de benefício. Sempre que você fica na defensiva, perde a oportunidade de melhorar. Simplesmente porque você não aceita a crítica e consequentemente não vai fazer nada pra mudar.

Não somos  perfeitos

Entenda que não somos perfeitos. Isso traz tantos benefícios que você nem imagina. O principal aqui é que você se abre a ouvir o que os outros tem a dizer sobre como você poderia melhorar. 

Fora isso a autocobrança diminui muito. Você para de tentar agradar a tudo e a todos e pensa mais na sua evolução, através dos feedbacks, em ser sempre uma versão melhor do que a sua de ontem, de um ano atrás, de cinco anos atrás.

Não desdenhar da crítica

Muitas pessoas aprenderam a ouvir caladas, como se realmente estivessem prestando atenção ao que está sendo dito. Simplesmente para seguir a vida pensando “Isso não me agregou em nada”.

Às vezes até ouvem, mas não falam nada. Não concordam nem discordam.  Simplesmente não agem em nenhuma direção a qualquer melhoria do que foi falado, como se desacreditassem totalmente no feedback.

Planeje e Execute a Mudança

Por último, lembre-se, se o feedback tem por objetivo melhorar um comportamento, você precisa planejar e executar as ações que vão te levar de encontro a essa mudança.

Não adianta nada ouvir,  entender, agradecer e não fazer nada. Se não houver mudança, é bem provável que no próximo feedback você receba as mesmas críticas.

Se você for gestor preste atenção se está dando feedbacks construtivos. Vejam se são feedbacks baseados em fatos ou em opiniões suas. Às intenção pode até ser boa, mas que podem nem sempre refletir a realidade. E se vc quiser se aprofundar um pouco mais, neste artigo eu falo sobre caracteristicas que atrapalhar a carreira de um gestor.

E se você estiver recebendo feedbacks, tenha calma. Entenda o tipo de crítica que  você está recebendo, assimile. Se tiver uma ação relacionada ao seu desenvolvimento, então mãos à obra, porque o seu crescimento está nas suas mãos.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments